Artigo

Porque um Direct Mail atinge melhores resultados que um E-mail?

De acordo com estudo realizado aos consumidores portugueses, o Direct Mail revela-se como um meio publicitário mais eficaz.

O Direct Mail é a opção mais eficaz, apresenta não só maior capacidade de influência como maior nível de propagação da mensagem, face ao E-mail. De acordo com as conclusões deste estudo, 39% dos portugueses dedicam mais de 6 minutos na leitura de um Direct Mail.

Num mundo cada vez mais interconectado virtualmente através dos meios online, o meio físico revela atingir uma maior eficácia junto dos leitores.

Numa comparação entre o Direct Mail e o E-mail existe uma menor recetividade, da parte dos leitores, deste último meio comparando com o Direct Mail . Esta é uma das conclusões do estudo desenvolvido pela Consulmark, que conclui que 44% dos leitores lê atentamente um Direct Mail , dos quais 39% dedicam mais de 6 minutos na sua leitura enquanto apenas 25% dos portugueses o faz aquando do recebimento de publicidade através da sua caixa de E-mail.

Esta distinção ganha ainda mais relevância, quando comparamos a publicidade que é deitada fora sem que o destinatário tenha lido, entre estes dois meios. Este mesmo estudo, conclui que 30,8% dos portugueses quando recebe um E-mail o elimina sem o ler, o que contrasta significativamente com o Direct Mail, em que apenas 9% dos destinatários o deita fora sem ler.

Relativamente à eficácia do meio, o Direct Mail tem um impacto bastante superior cujo 61% dos seus leitores revelam ter visitado a loja ou demonstrado interesse na visita depois do recebimento da publicidade enquanto apenas surte este efeito em 32% dos leitores de E-mail.

Um outro dado relevante é que o E-mail não consegue atingir mais eficácia do que o Direct Mail quando medimos as compras online efetuadas depois de uma campanha. O estudo revela que 7,7% dos leitores de Direct Mail compram online contrastando com os 7,5% dos leitores de E-mail.

O poder viral do E-mail é desvirtuado com as respostas do consumidores, pois o nível de partilha com outras pessoas é inferior no E-mail (15%) face à partilha desencadeada num Direct Mail (17%),

Ambos os meios têm as suas vantagens, e estes não têm de ser produtos substitutos. A complementaridade destes meios é um drive importante para o sucesso de uma campanha publicitária.

Ficha técnica: Estudo quantitativo, inquirição telefónica, Dezembro 2015; universo: indivíduos de ambos os sexos, com 18 anos ou mais, residentes em Portugal, amostra: 1.031 indivíduos, intervalo de confiança: 95%. Consulmark para CTT Sociedade Aberta SA.